sexta-feira, 17 de junho de 2011

Lagrimas e saudades - Parte V (Final)





Correu e fugiu de todos que conhecia, buscava de toda forma abandonar e tentar esquecer seu passado, buscava uma explicação pras coisas do mundo e ao mesmo tempo queria esquecer de tudo, queria lembrar de como era feliz sua infância quando seu pai e sua mãe brincavam com ele, como se nada de mal pudessem lhe acontecer,mas agora ele se via mais sozinho do que nunca, e se via traído,traído por tudo que um dia acreditou e fizeram ele acreditar..


Continuava deitado, se escondendo debaixo dos lençóis , entre sonhos e fantasias, entre realidades e verdades..queria apenas que tudo desaparecesse, desejava que tudo tivesse sido mais uma noite mal dormida, queria poder acordar e saber que sua mãe e seu pai ainda estavam ali, juntos, queria ver a mesa do café do manha arrumada e disposta para o seu desejejum, queria poder contar com o abraço carinhoso de sua mãe todas as manhas lhe desejando um excelente dia, queria poder contar com as roupas passadas e o cheiro de café que lhe despertava...mas não, aquilo era algo que ele não tinha mais, ele agora se deparava com uma pilha de roupas para organizar, o cheiro da casa, um cheiro que misturava um estranho odor incapaz de ser descrito, era algo azedo e ao mesmo tempo doce, doce com sua vida já foi um dia...


Ouviu o despertador tocar, agradeceu por aquela noite de insônia ter chegado ao fim, levantou-se da cama e foi para o banho da manhã, a água quente em contato com o seu corpo lhe proporcionava uma sensação de relaxamento, se olhou no espelho, notou que suas rugas e olheiras estavam cada vez maiores, essas noites de insônia tinha que ter um fim e ele não sabia o que fazer, apenas saiu do banho, tomou uma xícara de café preto, forte e quente, não tinha fome, apenas queria tentar despertar e preparar sua mente para mais um dia de trabalho massante e estressante, respirou fundo, se olhou no espelho mais uma vez e saiu...


Seguiu para o seu trabalho, o sol tocando seu rosto, a brisa do mar e o barulho das ondas misturado com o cheiro do mar o faziam acordar e ter a certeza de que agora estava mais sozinho do que nunca, até sua noiva o havia abandonado por não suportar mais seus surtos e as noites de insônia, isso estava acabando com ele e com todos a sua volta, precisava dar um jeito nisso, mas o que fazer, mil coisas passavam pela sua cabeça, pensou em suicídio, em mergulhar e se atirar no mar no meio de alguma dessas madrugadas de insônia, noites frias e sombrias com apenas a luz da lua guiando o seu caminho, indicando o que ele julgava ser a melhor coisa a fazer, mas ele sabe que ninguém merece a sua preciosa e suada vida..

Decidiu então simplesmente aceitar o fato de que enquanto não fizesse as pazes consigo mesmo, se perdoasse e aceitasse as coisas como são nada mudaria, nada vai mudar enquanto as pessoas resistirem em ver que as coisas são sempre assim, entre o que a gente quer e o que as pessoas creem, resta agora aceitar e simplesmente seguir com a vida ou passar noites e noites sem dormir, a única certeza é que o sol iria brilhar novamente no próximo dia e a noite inevitavelmente acabaria chegando...



____________



Fonte imagem: http://wwwindelibleco.blogspot.com/2010/11/on-way-to-sorrow.html


Anderson Toledo Mendes - Baln. Camboriu, SC

Um comentário:

  1. Parece que a vida por aí, tá te deixando maluco. Acho que só umas brejas pra aliviar essa maluquez.

    ResponderExcluir